Sexta-feira, 19 de Setembro de 2008
Edificio da Camara Municipal de Braga
EDIFÍCIO DA CÂMARA MUNICIPAL DE B R A G A DESENHADO POR André Soares ( André Soares Ribeiro da Silva (1720/1769) e construído por : Francisco Mendes, Cristóvão José Farto, Manuel Francisco Rato José Alves, Manuel Gomes e outros mestres - 2 0 0 8 – IIIIIIIIIIIIIIIIIIIII IIIIIIIIIIIIIIIIII IIIIIIIIIIIIIIIIIIIII IIIIIIIIIIIIIIIIII A CASA DA CAMARA DE BRAGA Uma lacónica notícia publicada na obra póstuma de Bernardino de Senna Freitas, “Memórias de Braga”, Tomo V, pag. 383, alertou-nos sobre as obras do edifício do “Domus Municipalis”, dizendo : “Mudou-se então a Casa da Câmara (de frente da Sé) para o Campo de Touros onde todavia não foi completa”. Ora, como Robert C. Smith, no seu magnifico trabalho , “A casa da Câmara, a pag. 24, refere: “no fim do ano de 1756, a edificação da casa da câmara, começou em 1753, chegava ao seu termo”, notamos que, entre as duas informações, algo estava de errado. Procuramos então indagar qual das deveria estar certa. E assim consultando, no Arquivo da Câmara, deparamos com um livro, “Annaes do Município de Braga”, com a data de registo de 1852, quando era Presidente da Câmara, o 2º Barão de São Martinho, Duarte Ferreri de Gusmão, no qual estavam inscritas e consignadas “as tradições locais, cousas, e sucessos que tiverem lugar no biénio da sua presidência” e que serviu não só para o biénio de 1852/54, mas relatou até 1859, todos os principais sucessos que ocorreram nesta arquiepiscopal cidade, deparamos então com a notícia que vamos transcrever, dado o interesse para a história do nosso “palácio municipal”: “Casa da Câmara – É digno de ser registado neste lugar a resolução da Junta Geral do Distrito, que, na Sessão Ordinária de 1856, reconheceu o crédito desta Câmara, na importância de 5.628$695 reis, proveniente de adiantamentos que esta havia feito em favor do Cofre da mesma Junta. Todas as Câmaras tinham demandado o pagamento desta dívida, mas sempre sem resultado feliz; neste ano porém poude a Câmara, à força de instantes diligências, convencer a justiça da sua causa, e a obrigação da Junta. Não era porem, ocazião oportuna, para conseguir mais que este reconhecimento, e a promessa da satisfação, por prestações em cada um dos anos futuros. E com efeito a Junta, na sua Sessão Ordinária de 1857, votou os meios para realizar o primeiro pagamento. Deste modo habilitou-se a Câmara a concluir o Paço do Concelho, obra, para que foi aplicada aquela quantia nos orçamentos de muitos anos anteriores. Era necessário, porém, expropriar parte da casa de Domingos Vieira Machado: e, não tendo podido conseguir-se deste uma convenção amigável e justa, pediu-se ao Governo que declarasse a obra de utilidade pública, para dar lugar à liquidação judicial, e a expropriação forçada; mas enviada à Secretaria do Reino o processo administrativo, instruído com audiência da parte, sem contestação desta, e acompanhada das primeiras informações, ainda até ao presente não houve solução! É de crer que esta pretensão da Câmara, tão singular e justa, e cuja utilidade se faz ver com a planta do edifício incompleto, sofra, naquela Secretaria mais uma dessas contrariedades singulares, com que tem sido recebidas todas as deliberações desta Câmara, levadas à aprovação do Governo.” Ora, em face desta nota do Anaes referidos, se depreende que o edifício não estava completo em 1756, como afirma Smith, o que se prova não só por um desenho inserido nas “Memórias de Braga”, de 1834, manuscrito e ilustrado por João Batista Vieira Gomes, conhecido pelo “Dr. Chasco”, exemplar em depósito na Biblioteca Pública, como também pelo livro de Actas Camarárias de 1857, em que se lê o pedido feito ao Governo para “declarar de utilidade pública a conclusão do Paço do Concelho”, afim de que a Câmara ser autorizada a expropriar a casa contígua ao inacabado edifício municipal, pertença de Domingos José Vieira Machado. Não foi fácil a expropriação, pois sempre Domingos Machado lançava objecções e as negociações se foram arrastando por vários anos, até que finalmente em 1861, se chegou a acordo tendo a Câmara pago pela expropriação a quantia de dois contos de reis. Resolvido o diferendo, lançaram-se os edis, nas necessárias diligências para finalmente vir a acabar-se o edifício da “Domus Municipalis”, o que se veio a concretizar, decorria o ano de 1865. E assim, a Câmara Municipal, cujo risco está documentado se deve ao “arquitecto do Minho”, André Soares (André Soares Ribeiro da Silva), se completou dando-nos o aspecto que hoje tem. Iniciado portanto, em 1753, como vimos sob projecto de André Soares, esta nova maravilha do barroco, é considerada pelo crítico de arte Robert C. Smith, como “uma das verdadeiras obras primas da arquitectura civil setecentista da Península Ibérica”. Esta sua opinião foi baseada na proporção do edifício e na firme lavoura do seu enquadramento granítico. Segundo a sua avaliação, disse, “ser digno de nota o motivo central em que as volutas borrominianas (influência italiana) de grande originalidade rematam na porta principal o frontão que encima a construção e que revela um artista de apurado gosto, visão arquitectónica e dinamismo”. Entre o frontão onde se destacam, sobrepostas, várias cartelas e a entrada principal, num nicho primorosamente lavrado, vê-se a imagem de Nossa Senhora do Livramento, colocada sobre um acrotério, escultura que se encontrava na antiga Câmara, na Sé, e que depois do seu derrube esteve até 1950, encerrada na Capela dos Reis, na Sé e, até que, quando era Presidente da Câmara o Dr. Araújo Malheiro, passou a ocupar o seu lugar na sua Casa, o nicho da fachada da Câmara. Note-se a simetria entre todas as janelas do rés-do-chão e as portas e varandas do primeiro andar, entre as quais está o referido nicho. O edifício camarário ao longo dos anos sofreu várias obras de beneficiação e melhorias, uma das quais foi o arranjo do Salão Nobre, cujas pinturas parietais se devem ao artista bracarense Joaquim da Costa Carvalho, que em 2 de Dezembro de 1884, apresentou e foi aceite “a proposta para a pintura e decoração do Salão Nobre… pela quantia de 600$000 reis”, a feitura do tecto da Escada Nobre, tecto em gesso, trabalho pelo Mestre Moreta, Joaquim da Silva Gonçalves, e que nos dá a ilusão de ser de madeira, e ainda, na primeira dezena do século XX, a colocação de azulejos na entrada e lambris da escada, azulejos da Fábrica Carvalinho, do Porto e cujas pinturas representam vários aspectos de Braga, alguns já desaparecidos. . . . / . . .


publicado por Varziano às 17:49
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

27
28
29
30
31


posts recentes

consequencias da 2ª g.Gue...

Bom Jesus 1

Bom Jesus 2

Bom Jesus 3

Bom Jesus 4

Bom Jesus 5

Bom Jesus 6

Bom Jesus 7

Bom Jesus 8

Bom Jesus 9

arquivos

Maio 2013

Dezembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds