Sábado, 4 de Outubro de 2008
A igreja e convento do Pópulo 2
Pópulo - continuação - 2 A CAPELA DE SANTA APOLÓNIA Continuando e prosseguindo pela direita encontramos a capela de Santa Apolónia, virgem romana martirizada em Alexandria, em 249, muito venerada em Lisboa (recordemos a estação ferroviária de Santa Apolónia), devoção que os Frades Gracianos (Eremitas de Santo Agostinho do Convento da Graça) que vieram de Lisboa para a fundação do Pópulo, trouxeram esta para a cidade de Braga (esta vinda dos gracianos, deu a razão de por vezes serem chamados “Frades Gracianos”). A capela está forrada, como as restantes de azulejos alusivos ao martírio desta Santa, com inscrições latinas que traduzem o modo com que Apolónia foi martirizada. Num dos painéis, o lado esquerdo, tem o nome do autor da azulejaria – António de Oliveira Bernardes (Antonius Aboliva, Inventor). Hoje esta capela foi dedicada a Santo António, oficial do Exército Português e confraria que veio para o Pópulo quando da demolição, cerca de 1950, do seu pequeno templo, na Praça do Município (antigo Campo de Touros), para dar lugar à rua Eça de Queiroz e arranjo do Jardim de Santa Bárbara. Em edículas, ao lado de um dos Santos mais populares do Flos Sanctorum vemos São Bento, São Lourenço e ao centro, por baixo do trono de Santo António, a imagem daquela que deu o primitivo nome à capela. Segue-se, finalmente deste lado, a capela de S A N T A M Ó N I C A mãe de Santo Agostinho, imagem que ocupa o lugar central. Como em todos os restante também o azulejo representa cenas da sua vida de crente. No retábulo encontram-se a seu lado as imagens de Santa Verónica e de Santa Clara de Montefalco, monjas da Ordem de Santo Agostinho. O Santo Português, São Lourenço de Lagos, famoso eremita da Ordem Agostiniana, que, nasceu em Lagos, em 1360, ocupou em tempos o primeiro lugar nesta capela. Foi superior do Convento da Graça e de outras casas conventuais, incluindo o de Torres Vedras, cidade de que é padroeiro. Os azulejos desta capela focam diversos aspectos da vida dos eremitas de Santo Agostinho, com relevo para Santa Rita de Cássia. Viremos agora para o outro lado do templo. A primeira capela que encontramos é a de NOSSA SENHORA DAS DORES Antes da lei que expulsou as Ordens Religiosas de Portugal, onde se encontra esta capela era a entrada directamente do Convento para a igreja. Com a ocupação das Casa Conventual pelo exército, foi fechada em parede de alvenaria. Convém aqui notar que após a expulsão foram entregues as igrejas às Juntas de Paróquia, como depositárias, isto é eram entregues para os actos religiosos, mas a propriedade seria sempre do Estado. Ao centro do altar preside a imagem de roca (vestida de cetim, guarnecida de renda e galões finos e as espadas e diadema de metal prateado). Ao lado desta imagem, vêem-se, São Bernardo e Santa Catarina de Alexandria. Os azulejos que forram as paredes são anteriores à Capela e referem-se a São Nicolau Tolentino. Seguindo a nossa observação, deparamos com a capela de SANTA RITA DE CÁSSIA. Esta capela foi assim denominada até 1911, passando depois a ser de NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS. Como curiosidade, diz o opúsculo que nos tem servido de guia, para as nossas palestras na UBATI, que RITA, é a abreviatura de “MARGARITA”, nome assim grafado em Itália. Famosa então pela sua santidade no mundo cristão, foi-lhe dedicada esta capela aquando da construção do templo do Pópulo. Os azulejos das paredes laterais, são dedicados a esta Santa estigmatizada. No meio de um dos painéis de azulejo, estão representados Santo Agostinho, São João Baptista e São Nicolau Tolentino, santos que teriam concedido a graça, ou milagre, de ser introduzida no Convento, já que pela sua condição de viúva não poderia ser admitida. NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS ou IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Passou esta Capela a ser também a sede das Confrarias do Santíssimo Sacramento dos Remédios, de Nossa Senhora das Graças e da Pia União das filhas de Maria, instituições que transitaram da igreja e Convento dos Remédios, quando em 1913, foi demolido. Várias foram as imagens que na igreja do Pópulo foram albergadas e vindas desse demolido convento, como Santa Inês, São Francisco de Assis, e outras mais. A seguir a esta capela pode ver-se a CAPELA DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO Já antes do dogma da Imaculada Conceição, definido em 8 de Dezembro de 1854, os frades agostinianos professavam essa fé de maneira que, quando da fundação da igreja lhe dedicaram uma capela, com uma imagem da Senhora esmagando a serpente. Nesta capela as imagens estão relacionadas com a sua Sagrada Família. Assim São José, com o Menino, São Joaquim e Santa Ana. Os azulejos desta capela referem milagres obtidos por sua intercessão. No local onde existia uma porta do corredor de acesso do convento à igreja, fechado o vão como já dissemos, foi colocada a capela do SENHOR DA AGONIA Foi construída em 1880, graças à acção do Padre Manuel Martins de Aguiar, então capelão do Pópulo. Outras imagens estão profusamente colocadas nos altares, algumas vindas de templos demolidos, como o dos Remédios e Santo António da Praça ou do Campo de Touros. A TALHA DOS ALTARES Pelo menos sabe-se que o entalhador bracarense Marceliano de Araújo, trabalhou na talha de alguns altares da igreja do Pópulo. Robert C. Smith, refere que ali, Marceliano de Araújo, deixou impressa a sua arte no retábulo e base do altar de Nossa Senhora da Conceição e no altar de Nossa Senhora das Dores e desses trabalhos reproduzimos as gravuras inseridas na publicação “Marcelino de Araújo”, devida ao citado Robert Smith. . . . / . . .


publicado por Varziano às 22:27
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

27
28
29
30
31


posts recentes

consequencias da 2ª g.Gue...

Bom Jesus 1

Bom Jesus 2

Bom Jesus 3

Bom Jesus 4

Bom Jesus 5

Bom Jesus 6

Bom Jesus 7

Bom Jesus 8

Bom Jesus 9

arquivos

Maio 2013

Dezembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds