Terça-feira, 26 de Agosto de 2008
Padaria da Régua
ESTABELECIMENTOS CENTENÁRIOS Quando há anos demos notícia de estabelecimentos centenários, na rua do Souto, mal julgávamos que decorridos alguns tempos essas casas centenárias teriam os seus dias contados. De facto, salvo a honrosa Farmácia Pipa, todas elas seriam absorvidas por estabelecimentos estrangeiros, predominando os espanhóis e, assim aos poucos foram desaparecendo a Casa Carneiro, a Casa Fânzeres e outras mais recentes como a Livraria Pax, e finalmente, embora não centenária, a Casa Esperança, que entre outras estão a ceder os seus lugares a serviços comerciais estrangeiros. Mas não só neste arruamento, o centro comercial do velho burgo bracarense, outras casas estão ameaçadas do mesmo destino. Já se ouve dizer para aí, que uma grande superfície galega está para se instalar na cidade. Será verdade ? Pelo menos sabe-se que as obras já principiaram e irão, segundo os " zuns-zuns ", ocupar um espaço, que já pertence a uma firma de pronto a vestir, estabelecida há tempos na cidade, e que dará acesso da Avenida a Liberdade ao Largo Carlos Amarante. Voltando atrás, sabe-se que nos tempos da Revolução Popular da Maria da Fonte, que no século dezanove, desbastou e flagelou a região do Minho, com especial incidência em Braga, já existia a Botica do Pipa, ancestral da hoje Farmácia Pipa. E isto se sabe não só, certamente pelos Arquivos desta velha Casa, mas também pelos registos das Actas Camarárias, que muitas vezes se referem a João Luís Pipa, droguista da rua do Souto, arrematante da Iluminação da Cidade a óleo (Copiador Para a Administração Geral, 1845, Set. 17, fol. 79 ) , e ainda numa acta em que êste Senhor pede e se julga com direito a uma indemnização pelos prejuízos causados nos lampiões pela fuzilaria originada pelos revoltosos e forças da ordem, durante as investidas revolucionárias. Também o seu nome aparece como farmacêutico numa vistoria a uma das nascentes de água das Sete Fontes, em 1853. Segundo parece, por averiguações feitas nos livros de emprazamentos, e conforme informação credível, encontraram-se referências a uma botica na rua do Souto por volta dos meados do século XVIII, o que a seu tempo, com mais certeza, será divulgado. . Ora com tais referências passou a ser considerada, a Farmácia Pipa como o último abencerragem do século dezoito, farmácia que não escapou à rabugice de Camilo, que a ela se refere numa das suas obras. Mas, por vezes aparece sempre um " mas " que nos leva a destruir um mito. Ora desta vez, surgiu-nos um " mas " que nos leva a concluir que, segundo cremos, nos dá conta de uma casa comercial, ou melhor, também industrial, tão antiga como a Farmácia Pipa ( pelo menos nos documentos ) e que tal como ela ainda hoje presta os seus serviços. Referimo-nos à Padaria da Régua, ali na rua de São Vitor, quase escondida, num recanto do que resta da velha rua da REGOA, e que com a rua da Seara, deu origem à rua de São Vitor, mandada alargar pelo Arcebispo Dom Luís de Sousa ( 1677 - 1690 ). Assim no Livro de Registos da Camara - ( 1823 - 1825 ) - achamos esta nota : " Registo de uma Carta de Exame de Padeira passada em nome do Senado da Câmara a favor de Maria Theresa, casada da rua da Régoa ( sic ) freguesia de São Victor desta Cidade Aos dezasseis dias do mês de Fevereiro de mil oitocentos e vinte e sete anos registei huma carta de exame passada em nome do Senado da Câmara desta Cidade a favor de Maria Theresa casada de São Victor desta Cidade pela qual pode livremente usar do dito ofício Com Loje aberta visto se achar Examinada e aprovada pelo Juiz e Escrivão do dito ofício e com todos os Competentes e Legítimos e Sello do Concelho na forma do Estillo a que me reporto. E eu Feliciano José da Cunha, Escrivão da Câmara o subscrevi Feliciano José da Cunha " Já depois de termos achado a acima referência , viemos a encontrar outra a esta padaria num livro de registos anterior ( 1818 - 1823 ) que mais ou menos está conforme a referência acima, apenas diferindo na data - 1 de Março de 1820, fol. 74 - e indicando que Maria Theresa era casada com Manuel José Alves . Por tal motivo pode-se afirmar que este estabelecimento ainda é mais antigo do que julgávamos. Fazendo fé nestes registos, quase temos a certeza que a Padaria, ainda hoje conhecida pela Padaria da Régua, na rua de São Vitor, é a herdeira, se não da tal Maria Teresa a que se referem os registos acima, já que se encontra no que resta da rua da RÉGOA, é pelo menos a herdeira do nome, e assim esta Casa atravessou os períodos conturbados das lutas liberais, da Revolução da Maria da Fonte, dos agitados tempos do século dezanove, viu cair a Monarquia, assistiu a instalação da Republica, à primeira e segunda guerra mundial e continua firme no seu escondido estabelecimento a dar o pão fresco e quentinho todas as manhãs. Braga, Junho de 2001 LUÍS COSTA


publicado por Varziano às 11:37
link do post | favorito
|

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

27
28
29
30
31


posts recentes

consequencias da 2ª g.Gue...

Bom Jesus 1

Bom Jesus 2

Bom Jesus 3

Bom Jesus 4

Bom Jesus 5

Bom Jesus 6

Bom Jesus 7

Bom Jesus 8

Bom Jesus 9

arquivos

Maio 2013

Dezembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds